____________________________________________________________________Benjamin Field

A Student’s Handbook of Christian Theology, pp. 155, 156.

Como podemos responder à objeção que, “se Cristo morreu por mais do que aqueles que serão salvos, ele morreu em vão por muitos”?

Supõe-se nesta objeção que os termos sobre os quais ele se ofereceu foram, que todos por quem ele sofreu devem ser salvos. Isto alguma vez é sugerido na Escritura? Nunca. Mas somos claramente informados quanto às condições e termos de sua morte expiadora: “Assim importa que o Filho do homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê não pereça,” etc. (Jo 3.14, 15) “Quem crer… será salvo.” (Mc 16.16). Se isso falhou, Cristo foi “levantado” em vão, mas isso nunca falhará, e, portanto, embora “quem não crer será condenado,” ele não foi “morto em vão.” “A vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna.” (Jo 6.40)

Mas se ainda for insinuado que parece lançar uma mancha sobre Deus supor que ele usaria meios para a salvação de pecadores que no final das contas se mostrariam ineficazes, eu tenho que dizer que, baseado neste princípio, o glorioso caráter de Deus estaria coberto de manchas. Ele não está diariamente, em sua Providência, usando meios com os pecadores, e nos convites, exortações, advertências, persuasões, incitações, exemplos e comandos de sua palavra? A pregação de Cristo e seus apóstolos nunca foi ineficaz? Quão limitado na visão é o homem! Como podemos ter a certeza de que uma coisa é realmente em vão, pela razão de que, na verdade, ela pode não corresponder ao fim que teríamos esperado? Podemos compreender, como se tivéssemos uma mente infinita, todos os possíveis propósitos de cada obra do Todo-poderoso? Ele desobstruiu o caminho para que todos fossem salvos ao dar seu Filho para morrer por todos, e agora ele convida a todos, comanda a todos, e se todos não obedecem, a glória de seu amor ilimitado ainda é exaltada e mais notavelmente demonstrada pelo próprio fato de que ninguém foi excluído da salvação senão por sua própria insensatez.

Tradução: Paulo Cesar Antunes [1]

Fonte: Arminianismo.com

1- Administrador do site Arminianismo.com

Anúncios