A Soberania Divina no Velho Testamento

Deixe um comentário

William Sanday e A. C. Headlamarquivo - arminius hoje

 

Uma segunda objeção é respondida e um segundo passo no argumento é afirmado. Deus não é injusto caso escolha um homem ou uma nação para um propósito superior e outro para um propósito inferior, um homem para Sua misericórdia e outro para Sua ira. Como é mostrado pelas Escrituras, Ele tem absoluta liberdade no exercício de Sua soberania divina. São Paulo está argumentando contra um oponente definido, um típico judeu, e ele deduz das premissas a validade do que esse judeu deve admitir, a saber, a concepção de Deus contida no Velho Testamento. Lá é claramente declarada a soberania de Deus, ou, em outras palavras, Seu poder e direito de dispor o curso das ações humanas como Ele deseja. Ele poderia escolher Israel para um ofício elevado e Edom para uma papel vil. Ele poderia escolher Moisés como um exemplo de Sua misericórdia e Faraó como um exemplo de Sua ira. Se isto for admitido, Ele pode (sobre razões que o judeu deve admitir), se quiser, escolher alguns judeus e alguns gentios para o elevado propósito de serem membros de Seu reino messiânico, enquanto rejeita para um papel inferior a maioria do povo eleito.

 

Este é o argumento de São Paulo. Por essa razão não há nenhuma necessidade de suavizar (como alguns têm tentado fazer) a aparentemente severa expressão do versículo 18, que Ele ‘endurece a quem quer.’ São Paulo não diz nada mais do que havia dito em 1.20-28, onde ele descreveu a perversidade final do mundo como, de certo modo, resultado da ação divina. Em ambas as passagens ele está isolando um lado da ação divina; e ao fazermos deduções teológicas de sua linguagem, estas passagens devem ser contrabalançadas por outras que envolvem o amor divino e a liberdade humana. Será necessário fazer isto ao final da discussão. No momento, devemos estar satisfeitos com a conclusão de São Paulo, que Deus, como soberano, tem o direito e poder absoluto de dispor as vidas dos homens como quiser.

 

Não devemos suavizar a passagem. Por outro lado, não devemos extrair um significado além do que ela contém, como, por exemplo, faz Calvino. Ele introduz várias idéias estranhas, que São Paulo fala de eleição para salvação e de reprovação para morte, que os homens foram criados para que possam perecer, que a ação de Deus não somente poderia ser como foi arbitrária: Hoc enim vult efficere apud nos, ut in ea quae apparet inter electos et reprobos diversitate, mens nostra contenta sit quod ita visum fuerit Deo, alios illuminare in salutem, alios in mortem excaecare…Corruit ergo frivolum illud effugium quod de praescientia Scholastici habent. Neque enim praevideri ruinam impiorum a Domino Paulus tradit, sed eius consilio et voluntate ordinari, quemadmodum et Solomo docet, non modo praecognitum fuisse impiorum interitum, sed impios ipsos fuisse destinato creatos ut perirent [For this he goeth about to bring to pass amongst us, that concerning the diversity [that] is between the elect and reprobate, our mind might be content with this, namely, that it hath so pleased God to illuminate some unto salvation, and blind other some unto death… A evasiva trivial sustentada pelos escolásticos com respeito à presciência cai, portanto, por terra. Paulo não nos informa que a ruína dos ímpios é prevista pelo Senhor, e, sim, que é ordenada pelo seu conselho e vontade. Salomão igualmente nos ensina que a destruição dos ímpios não foi apenas conhecida antecipadamente, mas que os ímpios mesmos foram criados com o propósito específico de perecerem (Pv 16.4)].

 

O apóstolo não diz nada sobre vida ou morte eterna. Ele não diz nada sobre os princípios de acordo com os quais Deus age. Ele nunca diz que Sua ação é arbitrária (ele provará no devido tempo que ela não é assim), mas somente que se ela for, nenhum judeu que aceita a Escritura tem algum direito de reclamar. Ele nunca diz ou deixa implícito que Deus criou o homem para que pudesse condená-lo. O que ele diz é que, em Seu governo do mundo, Deus reserva a Si mesmo completa liberdade de lidar com o homem sob Suas próprias condições e não sob as do homem. Dessa forma, Gore, op. cit. p. 40, resume o argumento: ‘Deus sempre se revelou como Aquele que preserva Sua liberdade de escolha, como Aquele que recusa se restringir, como Aquele que escolhe os exemplos históricos de seu juízo endurecedor e de Sua boa vontade compassiva, de forma a frustar todas as tentativas de nossa parte de produzir Suas vocações por nossos próprios esforços, ou de antecipar as pessoas que Ele usará para Seus propósitos de misericórdia ou de juízo.’

 

Fonte: The Epistle to the Romans, sobre Rm 9.18, pp. 257-258

 

Tradução: Paulo Cesar Antunes

Anúncios

Atos 2:23 – PC Antunes

Deixe um comentário

A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos.

 Este poderia ser um verso totalmente irrelevante para as controvérsias entre calvinistas e arminianos, pois ele não resolve a problemática da soberania divina e responsabilidade humana; ele apenas expõe os dois lados dessa grande verdade, de que a soberania divina é compatível com a responsabilidade humana, sem preocupação alguma de harmonizá-los. Mas como os calvinistas têm extraído algumas conclusões deste verso a fim de fundamentar melhor sua posição, é imperativo que os arminianos avaliem, não apenas o verso, como também as premissas nas quais os calvinistas se apóiam para concluir que o verso se ajusta apenas com o seu sistema, e dêem uma resposta clara e consistente.

 A primeira conclusão é que eventos contingentes não podem ser pré-conhecidos por Deus. A razão apresentada é unicamente que, por não podermos prever eventos contingentes, Deus também não deve poder. Mas Deus tem infinitamente mais recursos que os humanos para antecipar eventos contingentes, e essa conclusão leva em consideração apenas o nosso lado (nosso raciocínio lógico e experiência pessoal), e não o de Deus. O verso em questão, então, não serve para estabelecer a idéia de que Deus primeiro precisa decretar algo antes que possa “pré conhecê-lo”. Os arminianos entendem que um evento contingente (que pode ou não acontecer) pode ser pré-conhecido por Deus, e é certo que acontecerá, se os meios necessários para a sua realização forem satisfeitos.

 Alguém pode sugerir que nem todos os calvinistas tiram esta conclusão, o que eu devo admitir. Berkhof, por exemplo, reconhece que “é perfeitamente evidente que a Escritura ensina a presciência divina de eventos contingentes,” e que “é-nos levantado um problema aqui, que não podemos resolver plenamente.” [1] Portanto, o problema não é exclusivo dos arminianos, mas dos cristãos em geral, que acreditam na presciência divina de todos os eventos e na liberdade humana. Logicamente, Berkhof não tem o mesmo entendimento dos arminianos e descarta a possibilidade de que algo possa ser pré-conhecido por Deus sem que primeiro seja determinado por Ele. Ele diz:

 Ações que de maneira nenhuma são determinadas por Deus, direta ou indiretamente, mas que são totalmente dependentes da vontade arbitrária do homem, dificilmente podem ser objeto do pré-conhecimento divino. [2]

                    Berkhof foi cauteloso: ele não diz que tais ações não podem ser objeto do pré conhecimento divino, mas que dificilmente podem. Mas o que ele quer dizer por ‘vontade arbitrária do homem’? Em outro lugar, ele esclarece:

 Ao que parece, é impossível conhecer antecipadamente eventos que dependem por completo da decisão causal de uma vontade alheia a princípios que podem em qualquer ocasião, independentemente do estado de espírito, das condições existentes, e dos motivos que se apresentam à mente, seguir diferentes direções. Eventos dessa natureza só podem ser conhecidos previamente como puras possibilidades. [3]

     Essa é uma caracterização um tanto distorcida da posição arminiana. É óbvio que as nossas decisões dependem de nosso estado de espírito, das condições existentes, e dos motivos que se apresentam à mente, enfim, as condições causais devem existir e elas são necessárias para que tomemos qualquer decisão. O arminiano não acredita que a nossa vontade se move independentemente de condições causais; ele apenas nega que essas condições causais são suficientes para determinar nossas decisões.

               A segunda conclusão extraída pelos calvinistas de At 2.23 é que o decreto de Deus vem antes de Sua presciência, em razão do verso apresentar, primeiro, o ‘conselho, ’ e só então a ‘presciência de Deus. ’ Pink nos diz:

 A presciência divina alicerça-se nos próprios decretos de Deus, conforme se vê claramente em Atos 2.23: “Sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos.” Notem a ordem de apresentação: primeiramente, o “determinado desígnio” de Deus (o seu decreto); em segundo lugar, a sua “presciência.”[4]

                 O raciocínio de Pink é que, pela razão de que o autor bíblico escreveu a palavra ‘conselho’ antes da palavra ‘presciência, ’ segue-se que o decreto de Deus antecede sua presciência. Que nessa ordem foi escrito é evidente. O que não é tão evidente é a validade dessa argumentação.

 Supondo ser válida, esta linha de raciocínio poderia nos levar a concluir absurdamente que:

 1 – O nosso chamado é anterior à nossa eleição.

 Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis (2Pe 1.10).

 2 – A nossa salvação é anterior ao nosso chamado.

 Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos (2Tm 1.9).

 3 – Que recebemos o convite geral do Evangelho antes de sermos escolhidos.

 Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos (Mt 22.14).

              Há certamente versos onde a ordem em que as palavras foram escritas servem para estabelecermos certos entendimentos. Tomemos como exemplo Rm 8.30 (E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou). Há razões suficientes para concluir, por exemplo, que a predestinação precede a justificação, não porque uma palavra foi escrita antes da outra, mas porque o autor inspirado fixou uma relação de dependência entre elas, na qual cada etapa pela qual o crente passa, até culminar em sua glorificação, depende de seu antecedente. Mas essa relação de dependência não existe, explícita ou implicitamente, em At 2.23, sendo, por essa razão, precipitado tirar qualquer conclusão em função da ordem em que as palavras foram escritas.


[1] Louis Berkhof, Teologia Sistemática, p. 70

[2] Ibid., p. 71.

[3] Ibid., p. 108.

[4] Arthur Pink, Deus é Soberano, p. 59.

 

Por Quem Cristo Morreu?

Deixe um comentário

Ben Witherington III  

 

Cristo morreu pelos pecados do mundo e para resgatar o mundo. 1Tm 2.4, 5 propõe a questão de forma sucinta. Deus nosso Salvador “quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.  O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos.” Podemos comparar esta passagem com Jo 3.17, “Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele,” ou com o repetido refrão em Hebreus que Cristo morreu de uma vez por todas, por todas as pessoas, e assim por diante.

 Mas esta não é uma questão de apenas encontrar textos-prova suficientes (dos quais há muito mais), é uma questão da própria teologia do caráter de Deus. Deus é amor, amor santo, para ser exato, mas não obstante amor, e como diz 1Tm 2.4, o desejo do coração de Deus é que todas as pessoas sejam salvas. Não são apenas os eleitos que Deus ama, mas como diz Jo 3.16, o mundo, por quem Cristo foi enviado para morrer. Segue disto que a morte expiatória de Cristo é suficiente para a salvação de todas as pessoas, mas somente eficiente para aqueles que respondem em fé à graciosa provisão divina de redenção.

 Ainda mais fundamental é o entendimento do significado de dizer que Deus é amor. Entre outras coisas, isto significa que Deus está comprometido em relacionar-se em amor com os que foram criados à sua imagem. Agora, amor verdadeiro deve ser livremente dado e livremente recebido. Ele não pode ser predeterminado, manipulado, coagido ou de outra forma, que ele se torna contrário ao que a Bíblia diz que o amor é (veja 1Co 13). No debate entre se a característica primária de Deus é sua soberania ou seu amor, parece claro que Deus exerce seu poder em amor e para fins amorosos. Mesmo seus atos de julgamento, com exceção do julgamento final, não têm a intenção de ser punitivos, mas, antes, corretivos e restaurativos. Deus, em resumo, é diferente dos seres humanos vingativos, muito diferente deles. Dessa forma, Oséias relata que Deus diz “As minhas compaixões a uma se acendem. Não executarei o furor da minha ira… porque eu sou Deus e não homem,” (Os 11.8, 9). Deus, o pai divino, não é menos amoroso do que o melhor dos pais humanos, Ele é mais. Se Cristo é a perfeita encarnação do caráter de Deus, então a resposta à pergunta ‘por quem Cristo morreu?’ torna-se teologicamente auto-evidente – pelo mundo que Deus criou e ainda ama.

___________________________ 

Tradução: Paulo Cesar Antunes

___________________________

Fonte: Arminianismo

Deus é soberano sobre a Sua soberania

Deixe um comentário

Roger E. Olson

Os batistas têm o habito de reciclar temas teológicos calorosos. A soberania de Deus e o livre-arbítrio humano é um que vive aparecendo. Agora mesmo, o debate entre calvinistas e arminianos está esquentando novamente. Recentemente, um presidente de um seminário batista sugeriu que a Convenção Batista do Sul não tem lugar para os arminianos, o que deve ter sido um choque aos milhões de crentes no livre-arbítrio que são leais batistas do sul.

O que muitas pessoas não notam é que calvinistas e arminianos concordam que Deus é soberano e que Deus governa providencialmente sobre a criação e predestina pessoas para salvação. Suas áreas de acordo são muito maiores do que seus desacordos sobre interpretações específicas destes conceitos bíblicos.

Soberania tem a ver com o governo de Deus de todas as coisas; a doutrina cristã da soberania de Deus é que Deus está no comando do universo e tudo nele. Ele domina sobre ele. Providência é quase idêntico à soberania; ela trata do modo no qual Deus domina sobre sua criação.

Predestinação é outra doutrina ligada à soberania de Deus, mas não é idêntica à providência. Predestinação é o ensino bíblico que Deus preordena ou pré-conhece quais de suas criaturas humanas serão salvas. Os “eleitos” são escolhidos por Deus. Sobre estas doutrinas, calvinistas e arminianos concordam. Eles discordam sobre o papel que o livre-arbítrio desempenha em se uma pessoa está entre os eleitos e assim predestinada por Deus. Os calvinistas negam o livre-arbítrio como poder de escolha contrária e afirmam que a graça de Deus é irresistível. Os arminianos acreditam em livre-arbítrio como poder de escolha contrária e dizem que a graça nunca é imposta sobre ninguém; as pessoas podem e resistem à graça de Deus.

Seguindo o teólogo holandês Jacob Arminius (que morreu em 1609), os arminianos creem que Deus é soberano. De fato, Deus é tão soberano que ele é soberano sobre sua soberania. Em outras palavras, Deus limita seu poder para dar espaço ao poder humano da livre escolha, incluindo a liberdade para resistir à graça. Livre-arbítrio não é um resíduo de bondade humana que sobreviveu à queda no jardim; é um dom da graça de Deus que nos capacita a responder livremente à oferta de Cristo no evangelho.

O Calvinismo é a crença no determinismo divino; Deus é a realidade toda-determinante que soberanamente planeja e controla todos os eventos, incluindo as escolhas livres dos humanos. Os arminianos perguntam quão livres as pessoas podem ser se suas decisões são controladas. Os arminianos querem saber como Deus é bom e amoroso à luz da combinação do mal no mundo e a soberania e o poder todo-determinante de Deus. Até mesmo o mais inflexível dos calvinistas hesita em lançar a culpa do pecado e do mal em Deus. Após falar sobre o poder todo-determinante de Deus, eles se esquivam de dizer que Deus determinou a queda da humanidade no jardim ou o holocausto de Hitler. Uns poucos audaciosos vão em frente e dizem que Deus até mesmo causou os atos terroristas de 11 de setembro.

Nós que cremos na real liberdade da vontade, liberdade e poder de escolha contrária, vemos isso como a única forma de livrar-se de tornar Deus o autor do pecado e do mal. Um Deus que determina pessoas a pecar, ainda que somente por “permissão eficaz” (retirando a graça necessária para não pecar), é o pecador último. Um Deus que poderia salvar alguém, porque a salvação é incondicional, mas passa por alto de muitos – enviando-os para a condenação eterna – é moralmente ambíguo na melhor das hipóteses. Como John Wesley comentou, se isto é amor, é um amor que faz gelar o sangue.

Reconhecidamente, a maioria dos calvinistas não segue a lógica de sua própria concepção da soberania de Deus a sua justa e necessária conclusão. Eles afirmam que Deus é amoroso, mas dizem que “mundo” em Jo 3.16 não se refere a todos, mas a pessoas de toda tribo e nação – os eleitos. Deus ama todas as pessoas de alguma forma, mas somente os eleitos de todas.

Os arminianos acreditam no amor universal de Deus por todas as pessoas criadas à sua imagem e semelhança. Deus não quer que ninguém pereça, senão que todos alcancem o arrependimento (2Pe 3.9), porque ele deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade (1Tm 2.4).

Claramente, Deus não consegue completamente o que quer, porque ele é soberano sobre sua soberania e permite que pessoas pecadoras se oponham à sua vontade. Mas isso de forma alguma diminui sua grandeza ou poder; é evidência de sua autolimitação e respeito amoroso pelas pessoas.

Fonte: http://www.baptiststandard.com/index.php?option=com_content&task=view&id=5077&Itemid=134

Tradução: Paulo Cesar Antunes

Fonte: Arminianismo.com